Exposição do Museu do Amanhã no Rio de Janeiro

No contexto de uma economia baseada no conhecimento, organizações internacionais têm sistematizado muitos indicadores para avaliar capacidade inovadora, principalmente relacionada à ciência. No entanto, esses indicadores focam, principalmente, no lado da oferta de invenção e inovação, com atenção para atividades de pesquisa e desenvolvimento (I&D) e empresas inovadoras. Do outro lado, pouco é avaliado em relação aos “utilizadores finais”, como consumidores ou organizações não ligadas à inovação.

Com o objetivo de enfrentar esta insuficiência, o artigo “Innovation and public understanding of science: possibility of new indicators for the analysis of public attitudes to science, technology and innovation” propõe novos modelos para analisar a inovação através de indicadores que relacionam os domínios da ciência, da tecnologia e da inovação e da sociedade como um todo. Portanto, a partir da confluência de investigações no campo da compreensão pública dos estudos de ciência e inovação, cinco indicadores foram escolhidos: eficiência, criatividade, confiança na ciência e tecnologia, tolerância à incerteza e cooperação.

O texto mostra uma proposta inédita de análise cultural da propensão de inovar das pessoas, com base nos estudos sobre Percepção Pública da Ciência (Public Understanding of Science – PUS).

O artigo assinado por pesquisadores da Fundação de Economia e Estatística (FEE/RS), UNISINOS e UNIVATES foi apresentado no evento “OECD Blue Sky Forum on Science and Innovation Indicators” (Ghent – Bélgica, 19-21-setembro/2016), promovido pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O pesquisador Iván G. Peyré Tartaruga, vinculado à FEE e ao Núcleo Porto Alegre do INCT Observatório das Metrópoles, disponibilizou o artigo para divulgação aos leitores brasileiros.

Acesso o artigo completo Innovation and public understanding of science: possibility of new indicators for the analysis of public attitudes to science, technology and innovation.

Veja mais Artigos Científicos do Observatório das Metrópoles.